• Adastra

Eu por mim mesma

Atualizado: 17 de dez. de 2021

Olá! Meu nome é Grace e quero compartilhar com você experiências e realizações importantes da minha trajetória profissional.


Concluí a graduação em Fonoaudiologia pela USP Bauru, em 1999. Em 2000, iniciei minha carreira clínica realizando atendimentos domiciliares de jovens e adultos com lesão neurológica. Foram oportunidades de adentrar o universo de famílias que viviam, junto à pessoa que se encontrava deficiente, uma nova realidade de apoio mútuo, de reorganização e novos desafios em comunicação. Em abril deste mesmo ano, passei a trabalhar também na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Bauru (APAE Bauru). Foi lá que aprendi a ouvir e me fazer ouvida como integrante de equipes interdisciplinares e onde pude desenvolver, com apoio de parceiros queridos, ao longo de sete anos, diversos projetos de intervenção fonoaudiológica integrados nos contextos de saúde e educação. Para pessoas próximas, eu repeti a mesma frase algumas vezes: “A APAE Bauru é uma pós-graduação. Se ao final do dia, sair de lá, do mesmo tamanho que entrou, é porque o dia não foi vivido direito”. Pois bem... eu fui a aprendiz que buscava aumentar meu tamanho todos os dias, aproveitando dos ensinamentos de cada um, de cada experiência, das pessoas que viviam a vida em condições diferentes das minhas. Foi na APAE, junto às colegas da Psicologia, que tive meus primeiros contatos com a Análise do Comportamento Aplicada, e fui moldando minha identidade neste saber-fazer rigoroso, analítico e tão comprometido com a ampliação de repertório comportamental dos estudantes.


​Ainda em 2000, iniciei o curso de Especialização em Linguagem pela Universidade do Sagrado Coração (USC Bauru) (atualmente UniSagrado), obtendo o título de especialista em Linguagem, reconhecido pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, em 2002.


Em 2004 ingressei no Mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação (na linha de Educação Especial), da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Marília-SP. Minha pesquisa foi dedicada a criar, com a participação de mães de crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação, uma coleção de fascículos escritos e ilustrados a respeito do desenvolvimento de linguagem em condições atípicas. Não é mensurável o tanto que eu aprendi nesta pesquisa que teve a orientação da Prof.ª Dr.ª Débora Deliberato, e nas aulas ministradas por pesquisadores tão competentes na Educação Especial e áreas correlatas. O título de mestre em Educação me foi concedido no ano de 2006.


​Em 2008, mantendo a atividade clínica a todo vapor, concluí o curso de Aprofundamento em Dislexia e Distúrbios de Aprendizagem pelo CEFAC (Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica) e em 2011, por este mesmo centro, finalizei o Aprimoramento em Neurociências e Aprendizagem.


O “caminho foi sendo caminhado”, pautado no propósito de construir uma efetiva interlocução entre teoria e prática. Foi assim que a clínica alimentava o desejo por mais preparo e assim que o preparo me impulsionava à experiência clínica e em qualquer contexto onde meus assistidos precisassem de suporte à comunicação: na escola, em domicílio, num parque... no shopping ou numa festa de aniversário. Aprendi a levar a fonoaudióloga comigo onde eu fosse e onde a criança precisasse. Não somente ela, mas sua família.


​Depois de tomar alguns anos de fôlego, ingressei no Doutorado em 2012, também pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), na linha de Educação Especial e novamente sob orientação da Prof.ª Dr.ª Débora Deliberato. Em 2016, conquistei o título de Doutora em Educação por esta universidade.


Neste ano tão frutífero, realizei o sonho de me tornar terapeuta certificada pelo Hanen Centre®, do Canadá, para o Programa More Than Words®, destinado a famílias de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e outras dificuldades de comunicação social. Também pelo Hanen, fiz a certificação para o Programa It Takes Two to Talk® (em tradução livre, “Precisa-se de dois para haver comunicação”), voltado à capacitação de famílias de crianças com atrasos e transtornos de linguagem.


​Entre 2017, contando com o generoso incentivo de profissionais de referência da Comunicação Alternativa, fui eleita para a Coordenação do Comitê de Comunicação Alternativa e Libras da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa) (2017-2019), ano em que também passei a integrar a Diretoria Executiva do capítulo brasileiro da International Society for Augmentative and Alternative Communication (ISAAC) como primeira secretária.


Atualmente, sou vice coordenadora do Comitê de Comunicação Suplementar e Alternativa junto ao Departamento de Linguagem da SBFa e integro o Conselho Consultivo e o Conselho Científico da ISAAC-Brasil. Estas duas renomadas instituições alimentam meus valores e meu senso de propósito, além de me permitir estar em contato com colegas tão competentes e inovadores, que atuam em defesa da ciência e da comunicação para todos.


​Para seguir dando movimento à minha formação acadêmica, iniciei o pós-doutorado pelo Departamento de Fonoaudiologia da USP Bauru, em 2019, sob supervisão da Prof.ª Dr.ª Dionísia Ap. Cusin Lamônica. Minha pesquisa tem por objetivo identificar os efeitos de uma capacitação parental sobre o comportamento de pais de crianças com TEA, principalmente no que se refere a promover mais e melhor interação e comunicação em seus filhos.


Na USP Bauru, integro o Laboratório de Investigação das Alterações do Neurodesenvolvimento (LIAN), liderado pela Prof.ª Dionísia Lamônica, onde colaboro com diversas pesquisas em nível de iniciação científica, mestrado e doutorado.

​Já alguns anos, venho atuando como supervisora técnica em avaliação e intervenção de casos de TEA e outros transtornos do neurodesenvolvimento, com especial dedicação às questões de linguagem, da Comunicação Suplementar e Alternativa e da Análise do Comportamento Aplicada.


Estou amparada por consultoria semanal em Análise do Comportamento Aplicada com a Dra. Ana Arantes, BCBA, QBA, IBA, Psicóloga Analista do Comportamento, Especialista em ABA, Mestra em Educação Especial e Doutora em Psicologia (Comportamento e Cognição).


61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) percebem os estímulos ambientais de modo muito diverso da maioria das pessoas e experimentam dificuldades para interagir e se comunicar. Em geral, têm

Você utiliza imagens com o propósito de compreender melhor uma informação falada ou escrita? Como você avalia a qualidade das imagens utilizadas com as crianças nas escolas? Qual é a relevância que a